Funcionários dos Correios entram em greve
20/09/2017 - 10h13 em parana

Funcionários dos Correios entram em greve; serviços serão afetados

Os funcionários dos Correios vão entrar em greve a partir das 22h desta terça-feira (19). A decisão foi tomada pela categoria em assembleia realizada nesta noite e aprovou a paralisação sem data para terminar. Cerca de 1,3 mil funcionários da empresa em todo o Paraná devem cruzar os braços neste primeiro momento, segundo projeções do Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom). Além do estado, a movimentação convocada pela Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) vai afetar os serviços em todo o Brasil.

De acordo com o secretário-geral do Sintcom, Marcos Rogério Inocencio, ainda não está confirmado o fechamento de nenhuma agência nesta quarta-feira (20), mas garante que praticamente as unidades dos Correios vão estar com atendimento comprometidos. Segundo ele, ainda falta definir alguns pormenores da greve com o resto do país, o que inclui o fechamento das agências e o número total de servidores que devem parar. O cronograma e as ações do movimento paradista devem ser anunciados somente na manhã de quarta.

Ainda assim, ele garante que serviços essenciais, como a entrega de correspondências e encomendas, até os serviços prestados pelas agências, como o Banco Postal, serão prejudicados. Inocencio afirma ainda que, no Paraná, cerca de 25% dos mais de 6,3 mil trabalhadores dos Correios aderiram à greve neste primeiro momento e a expectativa é que esse número aumente nos próximos dias.

 

A direção da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e a direção da Fentect chegaram a abrir negociação na tentativa de evitar a paralisação, mas, após três reuniões, os representantes dos trabalhadores saíram insatisfeitos com os termos das conversas e agora optam pela greve. A categoria pede 8% de reposição salarial e ainda se manifestam contra algumas ações, como a ameaça de demissão motivada, privatização, fechamento de agências, suspensão de férias e horas-extras, reformas trabalhista e previdenciária, entre outros assuntos

COMENTÁRIOS