Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Quem vende seu próprio voto não tem moral para chamar os políticos de corruptos
21/07/2020 09:34 em parana

Quem vende seu próprio voto não tem moral para chamar os políticos de corruptos

 

Quem vende seu próprio voto não tem moral para chamar os políticos de corruptos. O ano de 2020, ano eleitoral, quando nós cidadãos seremos exaustivamente lembrados pelos políticos. É quando muitos eleitores resolvem fazer um giro, mas acabam fazendo um jirau. É bastante comum ouvir gente dizendo que vai é vender seu voto. Então surgem frases do tipo "Eu tô valendo 50 reais", "meu voto depende de quanto vão me dar", "é ano de eleição, tô precisando mesmo de uns materiais de construção", "eita que esse ano eu vou encher a cara de cachaça que os políticos vão me dar" entre outras frases típicas de quem está prestes a vender ouro 24 kilates e receber como pagamento um monturo de esgoto seco.

Quem vende seu próprio voto não ganha nada com coisa nenhuma. O pagamento que o político mau caráter vai te dar pelo seu voto é ouro de tolo, é mais sem valor que a própria palavra do tal político que está pagando pra você votar nele.

Aí tem gente que diz assim: "Ah só o meu voto não vai fazer diferença". Outro fatal engano. O seu voto é tão importante que os políticos o disputam a tapa e baixarias. E quem disse que seu voto não faz diferença? Veja bem, de grão em grão a galinha enche o papo, de tijolinho em tijolinho se levanta um enorme edifício, de fio em fio a cabeça fica repleta de cabelos, de gota em gota a chuva inunda uma cidade, uma região inteira. Sim! O seu voto faz toda a diferença. E eles (as criaturas, os políticos) sabem tão bem disso que criam em cada eleitor a ilusão de que na verdade um ‘votinho' só não vale nada. Pense bem numa coisa eleitor de cada município se o político te dá duas carradas de massará, em 4 anos como prefeito ou vereador ele vai se sentir livre pra lhe enganar em milhões de reais, como vemos todos os dias acontecendo no país, e enquanto você vai ficar morando numa casinha construída com o massará, aquele político que comprou seu ouro, digo, seu voto, vai roubar seu dinheiro e construir mansões, e até castelos, para ele e seus puxa sacos. Se o político te dá uma passagem para você vir com alguma pessoa doente pra capital, por exemplo, ele não está tirando do bolso dele não, ele está utilizando o dinheiro da prefeitura, que está lá tanto para oferecer um sistema de saúde de qualidade quanto para ajudar as pessoas da cidade no que for preciso. E enquanto você está achando a maior vantagem vender o voto em troca de uma passagem, ele (o político que comprou seu voto) vai é desviar, dinheiro e comprar um monte de coisas pra , pra mulher, pra filharada, enquanto você e seus parentes doentes vêm para a capital numa ambulância caindo os pedaços. Então todos os dias alguém diz assim: "Eu não gosto de política, os políticos são todos corruptos". E quando você pensa e diz isso o político corrupto se alegra e diz "ô coisa boa, olha aí mais eleitor fácil de ser enganado!".

E a todo momento ouvimos "fulano" é ladrão, "sicrano" é corrupto. Ai fica a pergunta no ar e quem vende o voto é o que?

Os dez mandamentos do eleitor honesto e inteligente

1 - Tomar consciência da importância da política e do valor do seu voto.
"Voto não tem preço, tem consequências".

2 - Verificar se o candidato ama o povo o qual ele deve servir.
Em primeiro lugar deve se olhar o projeto político do partido, se visa o bem do povo, de modo bem concreto; pois o político deve ser um servidor, um empregado do povo, que respeita o projeto político de seu partido.
Justificativa da mudança: A interpretação gramatical do texto original indica uma generalização para o lado da desesperança. A frase iniciada com a palavra NÃO, desvaloriza totalmente as instituições democráticas, ao passo que afirmar que é preciso primeiro olhar o projeto político valoriza o projeto coletivo em detrimento do interesse e projeto pessoal do candidato.

3 - Examinar se o candidato assume verdadeiramente o compromisso social.
Só se deve votar num político comprometido com o povo, não apenas com seu discurso na campanha eleitoral, mas, sobretudo, com suas atitudes, demonstradas por seu passado limpo, honesto e envolvido com as causas populares. Suas propostas políticas e sociais devem ser concretas, com possibilidade de serem executadas e totalmente voltadas para o bem do povo.

4 - Observar se o político respeita seu adversário.
O político que só sabe atacar e desrespeitar a imagem dos colegas de outro partido, em seus comícios, não merece o nosso voto. Política verdadeira não se faz na base do ataque pessoal e sim a partir de propostas e programas concretos. É preciso acabar com a politicagem dos ataques pessoais, tratando os adversários como se fossem inimigos.

5 - Não considerar nenhum político como representante da Igreja.
A Igreja não tem partido. O compromisso da Igreja é com a vida, a dignidade humana, a justiça, o bem comum e com a ética na política.

6 - Exigir e fiscalizar aqueles que foram eleitos quanto à sua absoluta transparência administrativa.
O eleitor deve acompanhar o desempenho daqueles que foram eleitos, pois, o voto é uma espécie de procuração para que o eleito aja em nome daqueles que o elegeram.

7 - 
Eleitor consciente não vende e não troca de seu voto. É preciso quebrar o círculo vicioso de candidatos que corrompem eleitores, e eleitores que corrompem candidatos. Quem vende o voto está vendendo a sua própria dignidade. Quem compra voto, compra a consciência do eleitor. Quem compra e quem vende voto está se degradando em sua dignidade.
 
8.
Agora, com a Lei da Ficha Limpa poderemos evitar que candidatos sujos com a justiça ou que não tiveram suas contas aprovadas concorram às eleições e venham a ocupar cargos públicos.

9 - Não anular seu voto nem votar em branco.
Se fizer isto, você poderá estar beneficiando um candidato que não merece o seu voto.

 10- vote certo ou voce vai ficar mais 4 anos reclamando!

COMENTÁRIOS